ENTRETENIMENTO

Voltar
23/10/2018 | 19h36 | Guilherme Paes

A transformação do cinema


Divulgação

 

O filme Tempos Modernos foi feito na segunda parte da década de 1930. O filme segue a linha dos filmes que eram feitos nas décadas iniciais da era do cinema. As cenas têm uma animação diferente e Charles Chaplin é muito animado em suas cenas. As câmeras não têm muitos planos, mas mesmo assim se revezam entre elas. Esse filme conta uma história mais crítica, prática e sem voz. O que torna mais interessante. Além disso, é um filme que exige muita atenção e que te leva a usar a imaginação para conseguir entender. O filme tem uma bela crítica ao mundo social, pois marca o início do cinema. E com esse filme teve-se muitas inovações para conseguir melhorar a forma de filmar e etc. Além de fazer parte de uma era de descobertas do cinema.

 

 

Outro grande filme é E o Vento Levou (1939) que apesar de ser grande, o diretor conseguiu prender a atenção do telespectador. O filme possui mais três horas e teve que ser divido em duas partes. Um exemplo de filme grande como esse foi Titanic. Nesse filme as câmeras ganham mais movimentos e passam a se tornar mais reais, como se a pessoa que tivesse assistindo o filme estivesse participando da história. Esse filme ajudou muito o modo de filmagem da época. Acabou sendo uma grande inovação.

 

 

Outro filme com uma inovação diferente foi A Canção do Sul (1946), que tinha um roteiro aperfeiçoado com envolvimento de animações e seres humanos, que traz uma nova maneira de filmagem. Esse filme foi feito pela grande Disney e a história é sobre a relação entre Jimmy e Tio Remus. O interessante aqui é que os personagens criados por Tio Remus são animados. Essa grande inovação foi muito importante para o mercado do cinema moderno, pois tem a interação digital com a realidade, que são os efeitos que o computador permitiria fazer. A Canção do Sul muda a forma de filmagem e tenta inovar na animação. Hoje em dia esse modelo é pouco usado, mas contribuiu para o crescimento do cinema.

 

 

O próximo filme nessa análise é os Dez Mandamentos (1936), ele tem uma duração maior que 4 horas. O filme conta história do profeta Moisés não só para evangélicos, mas para todos amantes do cinema. Ele é um filme muito chamativo que prende a atenção e é feito de muitos detalhes. A câmara explora muito os planos e expõe muitos detalhes nas cenas. O interessante desse filme é o roteiro, pois foi muito inovador e desafiador da época dele – e hoje pode parecer até ‘bobo’ hoje.

 

O último filme dessa análise é Cleópatra. Ele é um filme muito claro e contraditório ao mesmo tempo. O diretor Mankiewicz é mestre em prender a sua atenção. Os planos são inovadores, eles vêm com plano médio (americano), close e aberto. Eles não usaram muitos efeitos especiais, mas o que tem são muitos reais ainda mais nas cenas finais de lutas com Marco Polo. Graças a esse filme temos muitos filmes na atualidade com esse tipo de efeito.

 

 

 

 

Compartilhe: